As doenças ocupacionais são um risco ao qual todo trabalhador está exposto, cabendo à área de medicina do trabalho elaborar normas e orientações a serem cumpridas por empresa e colaborador, a fim de evitar o seu desenvolvimento. 

Além disso, cabe também ao médico ocupacional acompanhar o funcionário, monitorando sua saúde por meio de exames específicos para a sua função. Pensando nisso, elencamos neste post os principais exames de identificação de doenças ocupacionais. Confira!

O que são doenças ocupacionais?

Doença ocupacional é um termo genérico que designa qualquer patologia relacionada à atividade desempenhada ou às condições encontradas no ambiente de trabalho. 

Todo colaborador está exposto a riscos, de acordo com a atividade profissional exercida. A área de medicina ocupacional, portanto, atua com o objetivo de prever e mapear esses riscos, acompanhando trabalhadores e indicando procedimentos e condutas que visam evitar essas doenças.

As doenças ocupacionais mais comuns são:

  • LER (lesão por esforço repetitivo);

  • surdez temporária ou definitiva;

  • estresse ocupacional; 

  • DORT (distúrbios osteomoleculares relacionados ao trabalho);

  • dermatose ocupacional;

  • asma ocupacional.

O que diz a legislação?

Em termos fiscais e previdenciários, o trabalhador que desenvolve doença ocupacional tem os mesmos direitos que aquele que sofre um acidente de trabalho. 

Embora o termo englobe doenças profissionais e doenças do trabalho, a legislação as diferencia, de acordo com o agente causador. Profissionais são aquelas que decorrem do exercício de determinada função relativa à profissão, definidas no artigo 20, inciso I da Lei n. 8.213, de 24 de julho de 1991.

A doença do trabalho, por sua vez, não está associada à função exercida, mas sim ao local em que é desempenhada, e está prevista no inciso II da mesma lei.

Além disso, a legislação discorre ainda sobre a prevenção das doenças ocupacionais, obrigando as empresas a contratarem serviços de medicina ocupacional para avaliarem as condições de trabalho a que estão submetidos os trabalhadores. 

A empresa de medicina do trabalho contratada deve elaborar dois documentos: o PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais), feito por um engenheiro do trabalho, e o PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional), feito pelo médico. 

Quais os principais exames de identificação das doenças ocupacionais?

Os exames para detecção de possíveis doenças ocupacionais são definidos pelo PCMSO, especificamente, para a profissão de cada colaborador. Cabe à clínica de medicina do trabalho seguir à risca as orientações do documento, acompanhando a saúde do trabalhador por meio dos exames indicados. 

De forma geral, podemos citar alguns dos principais:

Audiometria

Avalia a perda auditiva, sendo realizado na admissão para determinar se a audição é perfeita ou o grau de perda, se houver. Além disso, a audiometria ocupacional deve ser repetida no exame periódico, para acompanhar a evolução do quadro e verificar se houve perda em decorrência da exposição ao barulho constante. 

Raio-X de tórax e coluna

Na medicina do trabalho é chamado de raio-X de tórax padrão OIT, devendo ser interpretado segundo norma internacional.

É realizado antes da contratação, durante o exercício da função e na demissão, para avaliar a condição pulmonar e documentar lesões na coluna. 

Eletroencefalograma ocupacional

Tem como principal objetivo descartar a epilepsia, que impediria o colaborador de desempenhar determinadas atividades. 

Espirometria ocupacional

Também chamado de prova de função pulmonar, avalia a função respiratória, possibilitando o acompanhamento do trabalhador exposto à poeira e mofo ou sílica, por exemplo, e o possível desenvolvimento de asma ocupacional. 

Podemos ver que os exames para detectar doenças ocupacionais podem exceder ao básico, cabendo ao médico ocupacional determiná-los. Muitas vezes ele poderá solicitar exames complementares mais específicos e complexos, como teste de acuidade visual, eletrocardiograma, ressonância magnética e exame de diabetes, entre outros. 

Se você gostou deste conteúdo e quer ficar por dentro das nossas novidades sobre medicina ocupacional, assine a nossa newsletter.