O termo telemedicina é usado para descrever qualquer prática médica à distância, o que ocorre geralmente com o auxílio da internet. Nas últimas décadas, com a popularização dos aparelhos eletrônicos e com o aumento da área de cobertura em rede, a telemedicina se expandiu e passou a fazer parte do dia a dia de muitas clínicas médicas.

Quer descobrir mais sobre o que é telemedicina e como ela funciona? Confira nosso post!

O que é telemedicina?

Uma das melhores definições do termo telemedicina traz a prática como um ramo da medicina que, através de tecnologias de informática e telecomunicações, facilita a troca de informações entre profissionais de saúde e por meio disso, aumenta a disponibilidade de diagnósticos e tratamentos aos pacientes. 

Muitas vezes, no entanto, quando envolve outros profissionais além dos médicos, prefere-se usar o termo telessaúde. 

Quando a telemedicina surgiu?

Em 1967, o Hospital Geral de Massachusetts criou uma linha de comunicação com o aeroporto de Boston para que os atendimentos médicos de emergência no aeroporto pudessem contar com o auxílio dos profissionais do hospital, o que muitos consideram como a primeira prática de telemedicina do mundo.

No entanto, apenas nos últimos 20-30 anos, à medida que os computadores e a internet se tornaram mais ágeis e populares foi que a telemedicina realmente ganhou espaço e começou a influenciar a rotina de pacientes e profissionais de saúde.   

No Brasil, os projetos de telemedicina se tornaram relevantes a partir do final da década de 90, já com o uso de vídeoconferência.

Como a telemedicina é regulada?

Internacionalmente, a principal referência para a prática da telemedicina é a Associação Americana de Telemedicina (American Telemedicine Association). Já no Brasil, foi criado em 2002 o Conselho Brasileiro de Telemedicina e Telesaúde e emitida a Resolução 1643 do Conselho Federal de Medicina (CFM) que define e disciplina a prestação de serviços através da telemedicina.

Como a telemedicina funciona na prática?

A telemedicina pode funcionar de diversas formas dentro das áreas de educação, assistência e pesquisa, sendo as principais dela a teleassistência e a telerradiologia.

Na teleassistência, o profissional de saúde coleta dados dos pacientes, transmite-os para outros profissionais especializados à distância e recebe, então, orientações quanto ao diagnóstico e o tratamento mais adequado, assim como para a realização de procedimentos.

Já na telerradiologia, os exames de imagem radiológicas — com exceção do ultrassom — são realizados na clínica e os resultados são enviados para um radiologista especializado que, à distância, emite o laudo. Todo o serviço é regulado pela Resolução nº 1890 emitida pelo CFM em 2009 e pelo despacho SEJUR nº 194/2013, que regula o registro das empresas de telemedicina nos Conselhos Regionais de Medicina (CRM).  

Quais as vantagens da telemedicina?

Além de quebrar as barreiras geográficas e permitir que pacientes em todas as regiões do país tenham acesso fácil a serviços médicos especializados de qualidade sem a necessidade de qualquer deslocamento, a telemedicina aumenta a qualidade do atendimento prestado, reduz os custos com recursos humanos e capacitação profissional, e muitas vezes torna todo o sistema mais ágil ao permitir que laudos fiquem prontos mesmo sem a presença do médico em prazos no máximo de 24 horas.

Entendeu um pouco mais sobre a telemedicina? Que tal assinar a nossa newsletter para não perder as novidades do blog?