Mesmo com o avanço tecnológico na área da saúde, muitas pessoas insistem em questionar a eficiência de métodos que trazem um diagnóstico médico mais ágil e seguro e, por isso, os mitos da telemedicina acabam surgindo. Sabendo que ainda há muitas dúvidas sobre a eficiência e a segurança dos laudos médicos on-line e a qualidade da telemedicina, vamos desvendar essas falsas informações e ajudá-lo clarear as ideias acerca do assunto.

1. A telemedicina não funciona no Brasil

Embora ainda pouco abrangente, se comparada aos países mais avançados, a telemedicina no Brasil vem ganhando cada vez mais espaço na área médica.

A possibilidade de acessar resultados de exames por meio da internet, tem ajudado acelerar o diagnóstico e a priorizar a qualidade da assistência médica em várias regiões do país.

2. Telemedicina custa caro

Com certeza não! Perante os inúmeros benefícios e vantagens, o custo de um sistema de telemedicina é muito baixo. Inclusive, hoje, é possível sublocar esses sistemas, onde há a possibilidade de a clínica pagar apenas pelos exames solicitados. Além de acelerar o processo de diagnóstico, a implantação de um software desse tipo ajuda a eliminar custos operacionais.

3. A telemedicina só facilita os laboratórios

Pelo contrário, com a telemedicina, todo mundo sai ganhando, médicos, pacientes, clínicas e laboratórios.

Só para ter uma ideia, com a telemedicina, é possível que um laudo médico saia em 30 minutos, isso significa que, com a entrega mais rápida e eficiente de exames, os diagnósticos e tratamentos são acelerados, ajudando a salvar vidas — sem falar nas etapas e custos que são eliminados durante este processo.

4. A telemedicina possui abrangência médica restrita

Claro que não! Os avanços da tecnologia da informação têm ajudado na evolução de uma medicina mais eficaz em diversas especialidades.

Hoje, a telemedicina atende a várias das principais áreas da saúde, entre elas a cardiologia, neurologia, radiologia, enfermagem, patologia, oncologia e oftalmologia.

5. A segurança da telemedicina é questionável

Como na medicina tradicional, a telemedicina preza pela saúde e qualidade de vida de seus pacientes. Sendo assim, os profissionais exercem os mesmos juramentos de ética e responsabilidade que os outros.

Os exames permanecem sob sigilo médico e as tecnologias utilizadas são de extrema segurança, com informações criptografas e sistemas regulamentados e fiscalizados por um conselho especial da área.

Assim como diversas áreas sofreram — e ainda sofrem — com as adaptações aos meios tecnológicos, na telemedicina, não é diferente: muitas incertezas e mitos surgem, principalmente, no que diz respeito à segurança das informações.

Vale lembrar que a telemedicina é um avanço da medicina tradicional, que tem a ética pautada no respeito e responsabilidade pela saúde das pessoas, a tecnologia aplicada a essa área só tem a agregar, diminuindo barreiras de tempo e distância nos diagnósticos e tratamentos, e agilizando o desempenho e a eficiência nas operações médicas.

E aí, gostou? Agora que você já conhece as verdades sobre os principais mitos da telemedicina, não deixe de conferir outros conteúdos do nosso blog e deixar seus comentários e sugestões no final deste post.

Facebook Comments